||| ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA    SANTIAGO DO CACÉM

 
       ||| início

 

   


 

 

mediateca

 

Os Direitos Inalienáveis do leitor

1
O direito de não ler

2
O direito de saltar páginas

3
O direito de não acabar um livro

4
O direito de reler

5
O direito de ler não importa o quê

6
O direito de amar os heróis dos romances

7
O direito de ler não importa onde

8
O direito de saltar de livro em livro

9
O direito de ler em voz alta

10
O direito de não falar do que se leu

in: Daniel Pennac, Como um Romance, Porto, Asa, 1994

 

Autor do Mês
Outubro 2009

Laura Esquivel

Biobibliografia


Laura Esquivel nasceu no ano de 1950, na cidade do México. A sua aventura na escrita começou quando trabalhava como professora primária na capital mexicana quando começa a escrever para os seus próprios alunos. Os seus trabalhos ganham sucesso e Laura passa para os programas de televisão dos anos 70 e 80.

A escrita de Laura, extremamente criativa e com bastante sentimento, explora frequentemente a relação entre o homem e a mulher. Em 1990 surge Como Água para Chocolate o seu primeiro grande sucesso, um romance recheado de receitas culinárias que lhe dão brilho e significado. Dois anos mais tarde, após o lançamento do livro, é feita a adaptação para o cinema, o que, logicamente, dispara o número de vendas. Laura Esquivel torna-se conhecida em todo o mundo.

Com fama granjeada, Laura continua a escrever e, em 1996, surge A Força do Amor. Se na primeira obra, foram acrescentadas receitas culinárias, nesta segunda obra, surge a música como acréscimo ao seu talento criativo. Em 2000, volta a introduzir a culinária, desta vez em Tão Veloz como o Desejo. A sua obra mais recente foi ¿Malinche¿ e foi lançada para o mercado em 2006, Trata-se de uma história que explora a vida de uma figura histórica mexicana, nomeadamente a da mulher que serviu Hernan Cortés. Laura é hoje escritora a tempo inteiro e vive na cidade do México.

Fonte: Edições Asa, Acedido em 3 de Outubro de 2009
 


Laura Esquivel
Como Água para Chocolate, Porto, Asa, 1997, 229 p.
Cota: 82 ESQ COM

Como Água para Chocolate

Pedro e Tita estão perdidamente apaixonados. Na senda do amor tudo parece correr às mil maravilhas. No entanto, o casamento não se pode proporcionar. Isto porque a mãe de Tita, fiel á tradição mexicana, faz questão que a irmã de Tita, mais velha, se case primeiro.
Esta imposição do casamento muda a realidade, mas não o sentimento. Pedro casa-se com a irmã de Tita para, assim, estar junto da sua amada. A cozinha, os seus ingredientes, as receitas que se adequam à paisagem são a forma de comunicarem entre eles.
Neste romance surpreendente e admirável, que revelou ao leitor português esta grande escritora mexicana, toda a trama narrativa roda, assim, em torno da cozinha e de um certo número de elementos culinários. Cada capítulo abre com uma receita fora do comum (mas ao mesmo tempo perfeitamente realizável), a pretexto e em volta da qual não apenas se juntam os comensais, mas também se “cozem” e “temperam” amores e desamores, risos e prantos, e se celebra o triunfo da alegria e da vida sobre a tristeza e a morte.

Enorme sucesso editorial, Como Água para Chocolate foi já traduzido em inúmeros países e adaptado ao cinema: